Aumento dos lixões clandestinos em Belo Horizonte

detritos - sartori

A questão do excesso de lixo no mundo é um grave problema para a humanidade. Em Belo Horizonte os lixões clandestinos se somam a lista de problemas gerada pela grande quantidade de resíduos sólidos e a falta de conscientização da população. Em 2012 a Revista Veja BH levantou a questão que incomoda muitos moradores da nossa região: o número de pessoas incomodadas com o surgimento de depósitos de entulhos nas ruas aumentou. Os número apresentados pela matéria são alarmantes – 694 lixões em comparação aos 396 em 2005, ano que a Superintendência de Limpeza Urbana começou a registra-los.

A região centro-sul da capital tem a situação mais preocupante. Em 2005 a area tinha apenas 19 lcais usados irregurlamente, em 2012 conta com 225 – maior concentração de inciedencias de lixões a céu aberto da capital. Todo mês são recolhidos 10 mil toneladas de detritos. O diretor de planejamento da SLU, Lucas Gariglio, afirma que a prefeitura não pode ser culpada, já que a responsabilidade de se livrar do entulho é de quem o produz. Ele justifica ainda o aumento ds lixões com o boom imibiliário na capital,  e a situação piora a cada ano desde 2007, quando o aterro sanitário na BR 040 foi fechado e o descarte direcionado para uma central de resíduos em Sabará, onde a operação encareceu. O prórpio vice-presidente do sSindicato das Empresas Locadores de Equipamentos de Minas Gerais, Hermínio Ramos, admitiu que para evitarem gastos, donos de empresas especializadas em dar destinação a entulho acabam jogando-o em qualquer lugar. Existe uma multa de 4.100 reais, caso o culpado seja pego em flagrante.

O descuido sai caro e traz riscos a população. Em meu depoimento para a matéria alertei para o risco da saúde pública, além disso os bota-goras desvalorizam os imóveis próximos. Para quem mora perto dos lixões o risco de cnviver com insetos, roedores e escorpiões é grande. A reportagem dá uma boa dica: ara quem quer evitar sujar ainda mais a cidade basta procurar uma das 32 unidades de recebimento de pequenos volumes, que aceitam gratuitamente até 2 mestros cúbicos de material – o equivalente ao volume de uma carroça. Para mais informações sobre endereço e transporte, ligue para 156.

 

Hiram Sartori

Hiram Sartori é Doutor em Engenharia Civil, área de Hidráulica e Saneamento, e ênfase em Resíduos Sólidos, pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da USP(1998), Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995), Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia da UFMG (1984). Tem experiência em Engenharia Civil, atuando com ênfase em Saneamento e Meio Ambiente, principalmente nas áreas de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, capacitação e treinamento em gerenciamento de resíduos sólidos, administração universitária.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: